Educação Igualitária pelo olhar do pai de Malala Yousafzai

A paquistanesa Malala Yousafzai estava entre uma das 50 mil garotas, que viviam em Suat, proibidas pelo Talibã de estudarem, em janeiro de 2009. O que a fez se tornar inspiração foi a sua luta para não desistir dos estudos. Produzido pelo The New York times, o documentário produzido, na época, divulgou a sua história de resistência, porém, três anos depois, a jovem foi atingida por balas na cabeça, disparada por militantes do talibã, ao voltar da escola.

Malala sobreviveu ao atentado e hoje representa várias meninas que compartilham do seu mesmo sonho. Sua força possui também referências em seu pai Ziauddin Yousafzai, um ativista, educador e incentivador dos estudos. Ele construiu uma escola no Vale do Swat, no Paquistão. Hoje, ambos são fundadores do Fundo Malala, uma organização que define a aplicação da doações arrecadadas desde o atentando para a causa.

Em entrevista concedida a um veículo brasileiro, o pai de Malala deu dicas para uma educação igualitária:
“Eu cumprimento todos os pais que acreditam em suas filhas, e que as incentivam a acreditar em si mesmas. E cumprimento todos os pais que criam filhos para acreditarem na igualdade, para acreditarem no poder das meninas, para acreditarem nas suas irmãs.” – Ziauddin Yousafzai”
“A história dela me mudou. Eu tinha só 20 anos e eu escrevi um longo poema em pachto chamado ‘Promessa’. Foi uma promessa para as meninas e mulheres de que eu lutaria pelos meus direitos, mas também pelos direitos delas, especialmente. Então eu cresci pela educação que eu tive. Eu virei feminista antes de ouvir essa palavra.”
“Desde o começo eu estava comprometido como pai a tratar todos os irmãos igualmente. Para mim, não existe diferença entre uma filha e um filho. Eu amo todos igualmente. Fico muito contente que os meus filhos são o tipo de filhos dos quais tenho orgulho. Eles acreditam na igualdade e eles têm um enorme respeito pelos seres humanos, pelas causas de gênero, raciais, qualquer uma.”
“Você não pode matar a voz. Você não pode matar a verdade. A voz dela [Marielle] será uma inspiração para milhões de pessoas no Brasil e ao redor do mundo. Então os pais dela devem ter muito orgulho de sua filha, que deu sua vida pelos direitos humanos. Poucas pessoas fazem isso. Eles são os pais de uma grande filha.”

Fonte:
https://g1.globo.com/olha-que-legal/noticia/2018/08/12/pai-de-malala-da-dicas-de-educacao-igualitaria-devemos-acreditar-nas-nossas-filhas-nao-deve-haver-machismo.ghtml